sábado, 28 de fevereiro de 2015

PT abandona ponte Brasil-Guiana Francesa e, por extensão, os amapaenses, que já são ignorados pelos governos que se sucedem no estado do Amapá

Foto Jorge Cardoso


RAY CUNHA
raycunha@gmail.com


BRASÍLIA, 28 DE FEVEREIRO DE 2015 – A Folha de S.Paulo publica hoje matéria dando conta de que a ponte estaiada de 378 metros sobre o rio Oiapoque, e que une o Amapá à Guiana Francesa, ou seja, o Brasil à França, ou a América do Sul à União Europeia, nunca foi inaugurada e encontra-se abandonada desde 2011, como tantas obras nestes 13 anos de PT, incluindo hidrelétricas e a mítica transposição do rio São Francisco, que o PT, liderado por Lula Rousseff, começou a construir, ou nem saiu do papel, pagou, superfaturado, e abandonou. No caso da ponte, está pronta, mas abandonada. Por quê? Por três razões: foi idealizada em 1997 pelos então presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Jacques Chirac; porque a França é plenamente democrática e o PT quer instalar no Brasil uma ditadura nos moldes de Cuba; e porque os governadores do Amapá nunca ouviram falar em estratégia econômica.

A ponte custou R$ 61 milhões, bancada pelo Brasil e pela França, pronta em junho de 2011, quando a França concluiu toda a estrutura viária e aduaneira do lado de lá, incluindo a rodovia de 200 quilômetros entre Saint Georges de l’Oyapock a Caiene, capital da Guiana Francesa, e esta à América Central, com aquele asfalto caprichado visto nos Estados Unidos e Europa, e não o asfalto infame do Brasil. Mas a BR-156, que liga Oiapoque, à margem do rio homônimo, a Macapá, a capital do estado do Amapá, vem sendo construída há 70 anos e ainda falta bastante para sua pavimentação total.

O Território Federal do Amapá foi desmembrado do estado do Pará em 13 de setembro de 1943, e em 1 de janeiro de 1991, foi instalado o estado do Amapá, criado pela Assembleia Nacional Constituinte de 1988. Foi nessa época, aliás, que o maranhense Jeca Sarney foi eleito pelos tucujus senador vitalício, embora o velho camaleão tenha se afastado da política eleitoral porque sente-se cansado demais da sua incansável sanha patrimonialista. De qualquer modo, ao anexar o Amapá ao Maranhão, Jeca Sarney deu notoriedade ao Amapá, que só era conhecido como fonte do melhor manganês do mundo, com o qual o governo brasileiro presenteou os americanos, que o estocaram no Tio Sam e deixaram buracos imensos e lagoas venenosas no município de Serra do Navio.

Pois bem, com 142.814,585 quilômetros quadrados, o Amapá é cortado longitudinalmente pela BR-156; essa rodovia começou a ser construída nos anos de 1940. A estrada tem cerca de 900 quilômetros, parte em chão de terra, um inferno de poeira nos seis meses de estiagem e intrafegável nos seis meses de chuva. Em quase sete décadas de construção, já enriqueceu muita gente bacana e, pelo jeito, ainda encherá os bolsos de muita gente da melhor estirpe amapaense.

Até dezembro passado, o Amapá estava nas mãos da família Capiberibe. O então governador, Carlos Camilo Góes Capiberibe (PSB), 40 anos, é filho do ex-governador por 8 anos e agora senador João Capiberibe e da deputada federal Janete Capiberibe, ambos também do PSB. João Capibiberibe não concluiu a BR-156, e Camilo, muito menos. Ambos, até o PSB ficar em cima do muro, eram unha e carne com Lula Rousseff.

E depois, esse negócio de que a rodovia é federal e por isso é preciso o governador se ajoelhar na frente de Dilma, ou ir diretamente a Lula, para que a BR seja concluída, é papo furado. Um governador pode muito; é só ter vontade política. É claro que para isso é preciso também ser avesso a patrimonialismo, a nepotismo, e bater de frente contra as gangs que assaltam o Amapá.

Camilo Capiberibe não conseguiu se reeleger. Quem ganhou foi o ex-governador por 8 anos Waldez Góes, de extensa folha corrida. Antônio Waldez Góes da Silva, 53 anos, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), nascido em 1961 em Gurupá (PA), foi governador do Amapá de 2003 e 2010. Em 10 de setembro de 2010, foi preso pela Polícia Federal na Operação Mãos Limpas, juntamente com outras 17 pessoas, dentre elas o vice-governador, Pedro Paulo Dias, todos acusados de integrar uma quadrilha que teria metido a mão em R$ 300 milhões da Educação do estado e da União.

Foi solto da carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, juntamente com o vice, em 20 de setembro daquele ano, quando recebeu um mandado de condução coercitiva na operação Mãos Limpas, resultado de investigações de desvio de verbas públicas no valor de R$ 1 bilhão no Governo do Amapá durante a sua gestão, com extensão na prefeitura de Macapá.

O Amapá tem potencial econômico fabuloso, como todos os estados da Amazônia, mas a roubalheira desenfreada, o tráfico de drogas, mulheres e crianças, a mentalidade de colonizado do amazônida, tornam a região refém de mazelas insanáveis. Contudo, as costas do Amapá, o mais setentrional da Amazônia Azul e portal brasileiro para a América Central e o Caribe, recebem 20% da água doce superficial do planeta e 3 milhões de toneladas de húmus do rio Amazonas, por dia, o que as tornam as mais ricas do mundo em vidas do mar, embora sejam as mais mal guardadas pela Marinha de Guerra e, também por isso, as mais disputadas pela pirataria global.

Macapá, na margem esquerda do Amazonas, a cerca de 200 quilômetros da boca do Mar Doce e seccionada pela Linha Imaginária do Equador, conta com aeroporto internacional; a BR-156 liga Macapá a Caiena, e esta às Américas Central e do Norte, e dista 8 horas de navio, ou 16 horas de barco, ou 50 minutos de avião, da porta da França; e o porto mais estratégico da Amazônia, o de Santana, com capacidade de receber navios de qualquer calado, é o porto brasileiro mais próximo dos mercados americano, europeu e asiático (via Canal do Panamá).

Mas Macapá, uma cidade com potencial turístico fabuloso, é de um absurdo emblemático: fica à margem do maior rio do planeta, o Amazonas, mas costuma faltar água na cidade; na capital do Amapá há edifício de 20 andares, mas não há esgotamento sanitário, muito menos estação de tratamento de esgoto; o Amapá conta com a hidrelétrica de Paredão e virtualmente com Tucuruí, mas blecautes são comuns na capital tucuju, e muitas das localidades do estado não contam com energia firme; o Amapá tem o maior potencial piscoso do planeta, mas sua universidade federal não oferece curso de oceanografia, muito menos de engenharia naval, ou de pesca; e agora a ponte sobre o rio Oiapoque está pronta, há muito tempo, mas foi abandonada a seguir.

E se os franceses não cuidarem dela, apodrecerá, porque o Brasil entrou em recessão; o PT já desviou cerca de R$ 1 trilhão, segundo fontes que frequentam a Esplanada dos Ministérios. Não há dinheiro, tanto que Lula Rousseff aumentou os impostos e reduziu os investimentos a nada. E o atual governador do Amapá é parceiro de Jeca Sarney e, claro, de Lula.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal firma convênio com a Escola Nacional de Acupuntura

Ricardo Antunes, da Enac, assina convênio com o Sindicato dos Jornalistas, observado por Jonas Valente, do SJPDF, e pelo jornalista Ray Cunha (Foto: Wanderlei Pozembom)


RAY CUNHA*


BRASÍLIA, 25 DE FEVEREIRO DE 2015 – O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF) firmou convênio, ontem, com a Escola Nacional de Acupuntura (Enac) para atendimento, a partir de hoje, dos seus associados, funcionários e seus dependentes legais no ambulatório da Enac, em acupuntura, auriculoterapia, massagens e técnicas coadjuvantes, com desconto de 25% sobre a tabela dos serviços. Assim, como a sessão custa R$ 55 e o pacote com dez sessões, à vista, R$ 500, para os associados ao SJPDF cai para R$ 41,25, arredondado para R$ 40, e R$ 375, respectivamente. A forma de pagamento é com dinheiro ou cheque. Os jornalistas sindicalizados serão encaminhados ao ambulatório da Enac pelo SJPDF.

A Enac é credenciada pela Secretaria de Educação do DF e reconhecida nacionalmente pelo Ministério da Educação (MEC), nos moldes da Organização Mundial de Saúde.

O ambulatório atende de segunda a sexta-feira, das 14 às 17 horas. Às segundas, quartas, sextas e sábados, das 9 às 11 horas; e as terças e quintas, das 19 horas às 20h30. A Enac fica na 404 Sul, Bloco A, Loja 33. Mais informações serão obtidas pelo telefone: (55-61) 3322-4998; pelo e-mail: enacdf@gmail.com; ou pelo site: www.enacdf.com.br

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA – De ampla cobertura e eficácia terapêutica, a Medicina Tradicional Chinesa é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e foi incluída na lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, durante a V Sessão do Comitê Intergovernamental da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em 17 de novembro de 2010.

Os pilares da MTC começaram a ser erguidos a pelo menos 5 mil anos, na China. Os chineses descobriram que além dos sistemas cardiovascular e linfático, há uma teia de meridianos corporais, ou de acupontos, um delgado sistema tubular, nos quais circula a energia vital.  Até o século 19, supunha-se que esses meridianos eram imaginários, mas nos anos de 1960, o cientista coreano Kim Bong Han injetou isótopo de fósforo num acuponto e observou a absorção da substância pelo organismo, por meio de microrradiografia. Resultado: o isótopo percorreu o clássico traçado daquele meridiano.

Experiências semelhantes foram realizadas por outros cientistas, como os franceses Jean-Claude Darras e Pierre de Vernejoul, e os norte-americanos James Hurtak e Roberto Becker. O resultado foi o mesmo obtido por Kim Bong Han. Na ciência espírita, já se sabe que os meridianos da acupuntura situam-se no duplo etérico, um corpo mais sutil do que a matéria. Assim, a acupuntura, no seu conceito mais simples, é a harmonização da energia vital que circula no corpo.

Isso, aliado à tuiná, massagem que também ativa os acupontos; à fitoterapia; e, sobretudo, à alimentação saudável, leva à cura e ao bem-estar. Também o acupuntor vê o paciente como uma totalidade e não em partes.

CURSO DE ACUPUNTURA – As inscrições para o Curso de Formação em Acupuntura da Enac, que habilita à clínica regular e abertura de consultório próprio, está com inscrições abertas. O curso tem duração de dois anos, com 2.080 horas/aula e 440 horas de estágio, num total de 2.520 horas/aula, em conformidade com orientação da OMS. As aulas são diárias e presenciais, com 4 horas/aula de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia; e das 19 horas às 22h50. Para inscrever-se, o candidato deve apresentar certificado do ensino médio, ou comprovação de matrícula no último ano do ensino médio.


*RAY CUNHA é aluno de Medicina Tradicional Chinesa, jornalista e escritor, autor dos romances HIENA e A CONFRARIA CABANAGEM 

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Inscrições para o Curso de Consultoria de Imagem e Estilo Feminino e Masculino estão abertas


BRASÍLIA, FEVEREIRO DE 2015 – De 16 a 27 de março, a consultora de imagem e personal stylist Iasmim Cunha estará ministrando o Curso de Consultoria de Imagem e Estilo Feminino e Masculino, um estudo introdutório para o ingresso na área de consultoria de visual, servindo ainda para o autoconhecimento. O curso será realizado no Espaço Chá da Loja Outlet Lingerie, localizado na 308 Norte, Bloco C, Loja 21, com 40 horas/aula, de segunda a sexta-feira, com turmas de manhã, das 9h30 às 13h30, e à tarde, das 14h30 às 18h30. O valor do Investimento é de R$ 1.300 parcelados em 4 vezes sem juros, ou em até 18 vezes no cartão, ou com desconto à vista. As vagas são limitadas e as turmas pequenas!

A profissão de consultor de imagem e personal stylist está em grande ascensão no mercado brasileiro, sendo considerada uma das 10 profissões que mais crescerão nos próximos anos. Ainda sem graduação superior no país, o presente curso abre as portas para aqueles que desejam adentrar nesta área, oferecendo dicas e orientações de profissionais com experiência no mercado brasiliense.

O CURSO        
   
O curso é voltado para estudantes e profissionais de áreas criativas, como Moda, Publicidade e Propaganda, Marketing, Jornalismo, Desenho Industrial, Artes Plásticas, Fotografia e Maquiagem, e para aqueles com desejo de mudança de área profissional, porém com forte senso estético. Os que buscam o autoconhecimento também podem aproveitar o conteúdo ministrado.

Durante o curso, os alunos serão submetidos a exercícios práticos visando a entender o funcionamento do serviço de consultoria de imagem, e deverão apresentar trabalho de conclusão, contendo as etapas da consultoria com os respectivos resultados do cliente.

IASMIM CUNHA

Brasiliense, 25 anos, graduada em Design de Moda pelo CentroUniversitário do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB), Iasmim Cunha também é formada em Estilo e Imagem Pessoal Feminino e Masculino pelo Senac/SP; em Consultoria de Imagem e Estilo Pessoal pelo Fashion Campus, representante oficial no Brasil do Instituto MFC/Milan Fashion Campus; e é pós-graduanda em Gestão de Marketing pela Escola de Administração e Negócios (ESAD). Com este curso, além de auxiliar homens e mulheres em seu processo de autovalorização da imagem, Iasmim Cunha resolveu mostrar a outras pessoas como se tornarem mais felizes.

JOSIANE SOUZA MOREIRA

Também ministrará o curso a psicóloga-palestrante Josiane Souza Moreira. Graduada pelo IESB, especialista pelo Hospital Universitário da Universidade de Brasília (HUB/UnB), com abordagem cognitivo-comportamental, atende no Centro Interdisciplinar Humanus e no Hospital Sírio-Libanês deBrasília. Restauradora da alma humana, auxilia cada pessoa em seu processo de valorização do autoconceito e autoimagem.

1. A Profissão2. Comunicação e Psicologia da Imagem
3. História da Moda
4. Estilo
5. Cores e Texturas
6. Formas
7. Trajes e Etiqueta
8. Questionário e o Cliente
9. Closet e Personal Organizer
10. Personal Shopper
11. Montagem de Looks
12. Montando sua Empresa
13. Trabalho de Conclusão

INCLUSO KIT

1. Com apostila e CD do curso
2. Disco cromático
3. Cartela de cores pessoais
4. Pasta estudantil
5. Garrafa de água
6. Lanche

PARA CONTATO OU MAIS INFORMAÇÕES

IASMIM CUNHA, TELEFONE: (61) 9172-3757
E-mail: contato@iasmimcunha.com com o assunto "CURSO CONSULTORIA"

Sua inscrição poderá ser feita pelo FORMULÁRIO DE CONTATO ou presencial, mediante marcação de horário. Basta informar a opção.

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Lula Rousseff chegará presidente ao fim de 2015?

O comunista bolivariano Lula Rousseff adora o capitalismo (Foto Veja)

RAY CUNHA

BRASÍLIA, 7 DE FEVEREIRO DE 2015 – A situação política no Brasil equilibra-se no fio da navalha. A corrupção apodrece todos os níveis aonde consegue se instalar, desde a famigerada Bolsa Família até a presidência da Petrobras, mas é enfrentada por instituições que garantem a democracia, como Forças Armadas; Polícia Federal; Ministério Público; Receita Federal; parte da imprensa, incluindo-se as revistas Veja, Época e IstoÉ; políticos como Aécio Neves, Eduardo Cunha e Fernando Henrique Cardoso; e heróis como o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Sebastião Barbosa, e o juiz federal Sérgio Moro, além do povo, revoltado, irado, com a bacanal promovida pelo PT no traseiro principalmente da classe média.

Uma hora a casa cai; igual Hugo Chávez Maduro, da Venezuela, ídolo de Lula Rousseff, e que está caindo de podre. Assim é inevitável que seja pedido o impeachment da fantoche Dilma Rousseff, e que Lula acabe atrás das grades, pois já há várias testemunhas e provas de que estão envolvidos até o gogó no assalto histórico à Petrobras.

E depois, se não apearem Lula Rousseff o país ficará tão fodido que só se recuperará em pelo menos três décadas de arrocho e investimento maciço e continuado em educação, pesquisa e tecnologia.

O primeiro livro de O Capital, de Karl Marx, foi publicado em 1867, em plena vigência da escravidão industrial, na Inglaterra, quando o trabalhador morria trabalhando e sem direito a sequer espernear. Josef Stalin interpretou Marx à sua maneira e imperou na União Soviética de 1922 até a sua morte, em 1953, instalando um sistema político totalitário, em que a cidadania valia menos do que uma bala de revólver. Mao Tsé-Tung fez a mesma coisa na China, de 1949 até sua morte, em 1976. Segundo historiadores, ambos mataram de fome ou assassinados pelo menos 50 milhões de pessoas. Na Coreia comunista, a do Norte, comandada pelo boneco obeso Kim Jong-um, mais de 20 milhões de escravos morrem de fome, lentamente.

Na Ibero-América há dois exemplos emblemáticos desse engabelamento: Cuba e Venezuela. Em Cuba, Fidel Castro e o argentino Che Guevara tomaram o poder em 1959, e logo disseram a que vinham: foder com os cubanos. Este ano, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deu um tiro no baço da ditadura do zumbi, reatando laços de amizade com o massacrado povo cubano, facilitando assim a volta do capitalismo à ilha, e tornando o urubu velho mais vulnerável, pois os cubanos que fugiram do país vêm tentando pegá-lo há 60 anos. E não é para bater papo. O outro caso é de Hugo Chávez Maduro, que, em nome de uma palhaçada perigosíssima chamada bolivarianismo, pôs o povo venezuelano de quatro, comendo capim.

Lula Rousseff é comunista bolivariano, e vem conspirando, desde 2003, quando conseguiu entrar no Palácio do Planalto, para instalar uma ditadura nos moldes de Cuba, ou pelo menos da Venezuela, que, por sua vez, procura copiar Cuba. Mas a única semelhança entre Fidel Castro, Hugo Chávez Maduro e Lula Rousseff é que o trio é de zumbis. Lula Rousseff chegou perto de um regime ditatorial, com o aparelhamento do Estado, mas há um problema, além das Forças Armadas, para chegar a uma ditadura de direito.

O grande problema de Lula Rousseff é o tempo. Essa canalhice de comunismo começou no início do século 20, quando as condições dos trabalhadores eram de escravidão, de modo que eles acreditavam em qualquer promessa, e a comunicação de massa era mais lenta do que preguiça. Hoje, os direitos trabalhistas avançaram bastante. Quanto à comunicação social, suponhamos que o assalto à Petrobras ocorresse no início do século passado; o povo jamais ficaria sabendo. Hoje, até os microrganismos sabem que Lula está cagando na cara do povo brasileiro.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Com Eduardo Cunha na presidência da Câmara grita das ruas pode levar ao impeachment de Lula Rousseff


Eduardo Cunha (centro) comemora a vitória (Rodolfo Stuckert/Câmara dos Deputados)

RAY CUNHA
raycunha@gmail.com

BRASÍLIA, 2 DE FEVEREIRO DE 2015 – O que estava deixando Lula Rousseff estarrecida aconteceu: Eduardo Cunha, 56 anos, economista, carioca, o rebelde do PMDB, foi eleito ontem (1 de fevereiro) presidente da Câmara dos Deputados. Até agora sem rabo preso com o lulopetismo e dissidente da ala capacho do PMDB, dependendo da grita das ruas ele poderá pedir o impeachment de Lula Rousseff, que se encontra com seu governo atolado em corrupção e incompetência histórica no setor econômico. O país está tecnicamente em recessão, a inflação voltou, a violência recrudesce, os hospitais públicos carecem até de água para se lavar as mãos e a produção de energia elétrica do país começou a falir, já que o governo não conseguiu acompanhar o crescimento da demanda.

 “Temos que nos dar o respeito para ser respeitados” – discursou Cunha, que venceu com 267 votos – 10 a mais do que o mínimo necessário –, tornando-se o segundo na sucessão da presidente Lula Rousseff, atrás apenas do vice-presidente da República, Michel Temer, não por acaso presidente do PMDB. O Palácio do Planalto, que dava a eleição de Arlindo Chinaglia (PT/SP) como favas contadas, ficou estarrecido com os 136 votos de Chinaglia, que já foi presidente da Câmara em tempos de Mensalão. Júlio Delgado (PSB/MG) desequilibrou o PT com 100 votos e Chico Alencar (Psol/RJ) teve apenas 8. Houve 2 votos em branco. O PT acabou sem nenhum cargo na Mesa Diretora, pois se concentrou na vaga de presidente, abrindo mão de lançar candidatos aos postos administrativos.

Bom articulista, Cunha fez um incansável corpo a corpo, especialmente junto aos 198 novatos. Passou toda a votação diante das cabines onde os parlamentares depositavam o voto, que pediu abertamente a todos eles. “Aqui não tem lei que proíba a boca de urna” – esclarecia.​

A partir de agora Eduardo Cunha é quem pautará os projetos que serão votados na casa, bem como tem a prerrogativa de acelerar ou barrar textos que tratam das reformas política ou fiscal, dar o aval à abertura de CPIs e instauração processos de cassação de mandatos, e poderá ser o articulador de um pedido de impeachment de Lula Rousseff. “Somos responsáveis o suficiente para saber que o País precisa de estabilidade política” – afirmou. “Na verdade, a oposição não venceu, e o governo também não. O que aconteceu foi que a casa venceu. Esse é o resultado do processo” – disse. Temos que devolver à Câmara a dimensão que ela deveria ter e que o Brasil merece que ela tenha. O Parlamento reagiu no voto.”

Para Eduardo Cunha, há um sentimento, entre os deputados, de que um mesmo partido não pode controlar todos os poderes.

Com Agências