sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Corumbá Concessões premia populações do Entorno do Distrito Federal

ANA GUARANYS
Assessora de Comunicação da Corumbá Concessões

Brasília, 30 de setembro de 2011 - A Corumbá Concessões S.A. (CCSA) realiza o Dia de Campo do Projeto Jardim do Aprender neste sábado, 1 de outubro, às 10 horas, na Escola Municipal Geminiano Ferreira de Queiroz, na comunidade de Olhos D´Água, em Alexânia (GO). A empresa é concessionária do reservatório UHE Corumbá IV e atua nos municípios do Entorno do Distrito Federal com projetos socioambientais. O objetivo do evento é proporcionar uma troca de experiência, apresentar as tecnologias desenvolvidas dentro do Jardim do Aprender e estimular a comunidade e outras instituições a replicarem o projeto em prol da sustentabilidade ambiental, geração de renda e melhoria da qualidade da alimentação.
CONCURSO DE HORTAS - Durante o evento, será realizada a premiação das melhores hortas familiares do Concurso Jardim do Aprender, do qual participaram cinco escolas rurais de Silvânia, Corumbá de Goiás, Alexânia, Abadiânia e Santo Antônio do Descoberto. Estes municípios estão entre os oito do entorno do reservatório da UHE Corumbá IV, que também fazem parte do Entorno do DF.
O projeto Jardim do Aprender teve início em novembro de 2010 e consistiu na realização de diversas oficinas teóricas e práticas sobre o plantio de hortas orgânicas, construção de minhocário, composteira (para produção de adubo natural) e de um canteiro de ervas medicinais na forma de espiral. Numa proposta inusitada, o Jardim do Aprender incluiu as comunidades vizinhas das escolas, formadas especialmente por familiares de alunos, professores e produtores locais, que participam do concurso. Cerca de 800 pessoas são beneficiadas diretamente pelo projeto.
Serão premiados os três melhores projetos de horta em cada uma das seguintes categorias: Escola (todo o trabalho de envolvimento da instituição com os alunos e a comunidade escolar); Experiência Pedagógica (atuação dos professores); e Quintal Produtivo. A direção de cada uma das cinco escolas que participam do Jardim do Aprender fez uma pré-seleção e indicou três quintais para se inscreverem no concurso. Foram avaliadas 15 hortas por uma comissão julgadora, formada por profissionais da área ambiental.
FEIRA - Durante o Dia de Campo será realizada uma feira onde a comunidade local (familiares de alunos e professores e produtores rurais) irá comercializar o excedente de produtos orgânicos de suas hortas, doces, biscoitos e queijos caseiros, além de peças de artesanato.
PROGRAMAÇÃO - Evento organizado para 400 estudantes e produtores de alimentos orgânicos.
10 horas - Café da manhã e apresentação de canto coral.
10h45 – Abertura.
11 horas – Visita à feira da escola e palestras em cinco estações temáticas (20 minutos):
A - Fundamentos da educação ambiental.
B - A horta orgânica.
C - Minhocário e composteira.
D - Plantas medicinais, comestíveis e aromáticas.
E – Nutrição.
12h40 – Almoço.
13h40 – Apresentação de balé.
14 horas - Cerimônia de premiação do concurso.
15 horas - Apresentação teatral.
15h30 - Lanche.
SERVIÇO
Evento: Dia de Campo do Projeto Jardim do Aprender
Local: Escola Municipal Geminiano Ferreira de Queiroz – Alexânia-GO
Data: 1 de outubro
Horário: 10 horas
Mais informações ou contato para entrevista: (61) 3462-5237 - Ana Guaranys/(61) 3462-5226 -Departamento de Meio Ambiente da CCSA.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

TSE concede registro ao PSD, que está pronto para concorrer nas eleições de 2012

DEM sofre chilique e ameaça recorrer ao Supremo Tribunal Federal

Brasília, 27 de setembro de 2011 - O Partido Social Democrata (PSD), criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, saiu do papel no início desta noite. Por seis votos contra um, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu aceitar o pedido de registro da legenda. Com isso, a nova sigla está pronta para lançar candidatos nas eleições municipais de 2012. O julgamento ocorreu dez dias antes que expirasse o prazo estabelecido pela legislação eleitoral para o registro de partidos que pretendem entrar na corrida eleitoral do próximo ano. O novo partido nasce com 40 deputados e 2 senadores.
Os caciques da nova legenda marcaram um ato para esta quarta-feira, de manhã, em Brasília, a fim de comemorar o resultado. O Democratas (DEM) ameaça entrar com recurso contra a decisão do STJ no Supremo Tribunal Federal (STF).  
Votaram a favor da criação do novo partido: a relatora, Nancy Andrighi, Marcelo Ribeiro, Teori Zavascki, Arnaldo Versiani, Carmen Lúcia e Ricardo Lewandowski. O ministro Marco Aurélio Mello votou contra. A segunda fase do julgamento no TSE foi focada numa questão técnica: o trabalho dos cartórios eleitorais na validação das assinaturas exigidas pela Justiça Eleitoral para oficializar um partido político. O mínimo exigido pela legislação eleitoral são 500 mil assinaturas.
DISTRITO FEDERAL E ENTORNO - O PSD, coordenado no Distrito Federal pelo ex-governador Rogério Rosso, já conta com as deputadas Eliana Pedrosa e Liliana Roriz, tornando-se a terceira força política no DF, atrás do PT e do PMDB. A ida de Liliane para o PSD fortalece o grupo de Joaquim Roriz (PSC), que quer voltar ao governo do DF, em 2014.
Em Goiás, o secretário da Casa Civil do governador Marconi Perillo (PSDB), Vilmar Rocha, é o mandachuva do PSD. No Entorno, o comandante do novo partido é o deputado estadual Cristovão Tormin, que deverá disputar a prefeitura de Luziânia. Luiz Carlos Attié, prefeito de Cristalina, estuda se deixará ou não o DEM pelo PSD.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Dia da Árvore: momento para reflexão

Pequizeiro, árvore típica do Cerrado. O fruto é apreciadíssimo pelos goianos

ANA GUARANYS
Assessora de Comunicação da Corumbá Concessões

Brasília, 21 de setembro de 2011 - Neste 21 de setembro é comemorado o Dia Nacional da Árvore, que marca a chegada da primavera. No entanto, com as constantes queimadas – criminosas ou acidentais -, esta é uma data para reflexão sobre a importância de se preservar o meio ambiente, pois as árvores não só embelezam, dão sombra, flores e frutos, mas mantêm a umidade do ar, produzem oxigênio e ajudam a reduzir a poluição. Além disso, firmam o solo das encostas e as margens dos rios e dos córregos.
Para o presidente da Corumbá Concessões S.A., Marconi Melquíades de Araújo, esta data é especial: “Este é um dia de grande reflexão para todos os cidadãos brasileiros. É através da árvore que se tem uma melhoria do meio ambiente e, como diz a poesia, a árvore dá sombra e frutos. Então, nós, da Corumbá Concessões, temos uma preocupação muito grande com as árvores de Goiás e, neste sentido, estamos implantando um projeto de revegetação, no qual devemos implementar três milhões de árvores do bioma Cerrado, no entorno do reservatório da usina Corumbá IV”.
Neste trabalho de revegetação, segundo Araújo, estão ocorrendo alguns problemas por parte dos criadores de gado, que, “por falta de consciência de que a revegetação é um bem para todos, permitem que o gado rompa a cerca, pisoteie e coma as mudas de árvores que plantamos”. Outra preocupação da empresa, aponta, é com os incêndios, que devastaram este ano grande parte da Floresta Nacional. “A cada ano vemos isso acontecer sem que medidas sérias sejam tomadas pelos órgãos públicos. Por estes e outros motivos, nós vemos a data como um dia para pensar no meio ambiente, principalmente no bioma Cerrado, e na prevenção de incêndios. Cuidados que devem ser tomados desde a infância.”
Marconi de Araújo ressalta que a educação ambiental é um dos Programas Básicos Ambientais (PBAs) que a empresa implementa nos municípios do entorno do reservatório. “Nós sempre levamos a estas comunidades a mensagem: cuidem das árvores, plantem árvores e cuidem das já existentes.”

Cerrado é o segundo bioma mais ameaçado no Brasil

YAHOO! NOTÍCIAS

Brasília, 21 de setembro de 2011 - Considerado a savana mais rica em diversidade do mundo e o maior produtor de grãos do Brasil, o Cerrado amarga a segunda posição no ranking dos biomas mais ameaçados do país, perdendo apenas para a Mata Atlântica. Somente neste ano, as queimadas foram responsáveis pela destruição de alarmantes 322,8 mil hectares, o que evidencia sua fragilidade.
Dados apresentados pelo Ministério do Meio Ambiente, dia 13 de setembro, mostram que o desmatamento acumulado até 2010 já atingiu 48,5% do bioma. Apesar de tamanha fragilidade, a região ainda carece de políticas ambientais e programas voltados à proteção.
Entre 2009 e 2010, o desmatamento no bioma aumentou 0,32%, sendo que os estados de Maranhão e Piauí apresentaram desmate mais acentuado. A agropecuária, o extrativismo de carvão vegetal e o crescimento urbano são apontadas pelo ministério como as principais causas do problema.
Das queimadas, bastante comuns nesta época do ano por conta da baixa umidade, o caso mais grave aconteceu no Parque Estadual Serra de Caldas Novas, no interior de Goiás, que teve 60% da área de 2.200 hectares consumidos pelo fogo. Tudo isso em menos de quatro horas.
Em encontro na Câmara dos Deputados, dia 14, representantes do ministério, da Frente Parlamentar Ambientalista, associações de meio ambiente e ONGs ambientais defenderam a criação de uma lei específica para o Cerrado, em caráter emergencial, nos mesmos moldes da Lei da Mata Atlântica. O objetivo é promover um marco regulatório em relação às atividades de exploração econômica no Cerrado.
Na opinião do deputado Sarney Filho (PV-MA), coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, a contradição do processo está no fato de que o bioma é encarado por muitos apenas como fronteira de expansão agrícola, mas a produção de água desse ecossistema já é avaliada em estado crítico.
SITUAÇÃO GEOGRÁFICA - O Cerrado possui cerca de 2 milhões de quilômetros quadrados e o nível elevado de diversidade biológica, favorecido pela sua situação geográfica, já abrange o Distrito Federal e oito estados brasileiros: Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Piauí. O bioma tem áreas marginais na Bolívia e Paraguai.
A região ocupa o divisor de águas das grandes bacias fluviais do continente (Prata, Amazonas e São Francisco) e está em contato com formações abertas vizinhas, como o Pantanal, o Chaco e a Caatinga, e, por meio de matas ciliares, também está conectado à Amazônia e à Mata Atlântica.
FAUNA E FLORA - O Cerrado ostenta flora extremamente rica, com 7 mil espécies de plantas, sendo 4 mil endêmicas desse bioma. Como compartilha espécies com os demais biomas, também abriga grande número de animais. São cerca de 2.500 espécies de vertebrados identificados, entre mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes.
Espécies ameaçadas, como a onça-pintada, tatu-canastra, lobo-guará, águia-cinzenta e cachorro-do-mato-vinagre, entre outras, ainda têm populações significativas no bioma, que assim sua importância como ambiente natural. Vale ressaltar, contudo, que espécies exclusivas do Cerrado, como tamanduá-bandeira, estão na lista dos animais brasileiros ameaçados de extinção. No total, 65 espécies do Cerrado estão em situação semelhante.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

O Planalto em chamas

Brasília, 19 de setembro de 2011 - A primeira queimada, este ano, no Distrito Federal, aconteceu em 16 de maio. De lá para cá, até a semana passada, os incêndios destruíram uma área de 32 mil hectares do Cerrado, segundo o Corpo de Bombeiros. A área é 255,5% maior que a do ano passado, quando 9 mil hectares do Cerrado viraram cinzas. De acordo com os bombeiros, a devastação deste ano se intensificou após o dia 7 de setembro, quando as grandes queimadas começaram a acontecer. Em uma semana, aproximadamente 21 mil hectares foram perdidos. Os bombeiros dividiram os incêndios de grande porte em duas áreas. Um delas, onde o fogo alcançou 15 mil hectares, é formada pela região da Base Aérea, Jardim Botânico, Fazenda Água Limpa e Reserva do IBGE, tudo no DF. 
A Floresta Nacional de Brasília (Flona) foi outra área bastante afetada. Entre os dias 8 e 13 de setembro, teve 6 mil hectares devastados. 
Para o major Mauro Sérgio, o aumento no alcance das queimadas não se deve à falta de equipamentos, homens ou planejamento. “Com a temperatura alta, umidade baixa e ventos fortes, a propagação foi muito rápida. Essas são ocorrências muito difíceis de combater. A vegetação queima muito rápido.”
De acordo com o major, o trabalho de prevenção é feito com a realização de aceros (queimada controlada) e divulgação de informação entre a população que mora em áreas próximas às unidades de preservação. Segundo ele, porém, o trabalho precisa ser intensificado. “Fala-se em combustão espontânea, o fenômeno existe, mas é bastante raro. Verificamos que o fogo geralmente é causado pelo homem, de forma acidental ou não.”
Atualmente, os bombeiros trabalham com dois aviões de monitoramento que sobrevoam o Distrito Federal e avisam as equipes em terra dos focos de incêndio. O fogo é combatido por terra. Dois helicópteros auxiliam no transporte dos militares. Há ainda um avião equipado com UTI móvel. 
Mas o Corpo de Bombeiros já se prepara para a seca de 2012, com a compra de duas aeronaves Air Tracktor 802F. Vindas dos Estados Unidos, elas foram customizadas para as demandas de combate a incêndios no DF e custaram US$ 1,9 milhão cada. A primeira já está no hangar da corporação; a segunda está prevista para chegar em novembro. 
“Com os aviões, o DF vai estar todo coberto com voos de até cinco minutos. Com isso, a possibilidade de grandes incêndios como os que vimos este ano vão diminuir muito” - garantiu o sargento Florindo. 
FLONA DE BRASÍLIA INVADIDA POR CASAS - Uma imagem emblemática mostra a que ponto chegou as irregularidades dentro da Floresta Nacional de Brasília (Flona), área de proteção ambiental que ardeu em chamas na semana passada e teve confirmado um incêndio criminoso pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Trata-se de um imóvel com piscina e campo de futebol construído em área da reserva. E ele não é o único. 
O número de pessoas morando irregularmente dentro da área da Floresta Nacional de Brasília mais do que dobrou nos últimos dez anos. De acordo com Miriam Honorata Ferreira, chefe da unidade, um levantamento feito em 2000 apontou que cerca de 1.500 pessoas habitavam os 9,3 mil hectares da Flona. Esse número simplesmente saltou para mais de 3.000 neste ano.  
“Não podemos dizer precisamente quantas pessoas moram dentro da unidade. Mas a gente estima que na Área 2, que fica mais perto de Taguatinga, há cerca de 2.500 pessoas. Na Área 3, mais perto de Brazlândia, há mais 500 pessoas morando. Logicamente, nesses 12 anos muita gente foi parcelando chácaras, colocando os filhos para morar, vendendo lotes” - afirma Miriam. “São pessoas que estão ganhando dinheiro com isso, até anunciando lotes em jornal" - disse. 
O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) permite a permanência de populações tradicionais dentro dos limites das florestas nacionais. De acordo com Miriam, esse não é o caso das pessoas que estão habitando a Flona de Brasília. 
“Nós não temos populações tradicionais em Brasília. Populações tradicionais são aquelas que vivem da exploração de algum produto extraído ou produzido nas áreas em que elas vivem, como os seringueiros” - afirma a chefe da unidade. De acordo com Miriam, do total de pessoas que habitam a Flona apenas dez têm posse do terreno. O perfil dos moradores é variado. “Temos tanto chácaras produtivas como pessoas que estão ali só para morar, como funcionários públicos do GDF, policiais civis.”
O coordenador de proteção ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em Brasília, Paulo Carneiro, classifica como uma "distorção" a presença de imóveis com quadras esportivas e até piscinas dentro da Floresta Nacional. "A existência de casas de maior poder aquisitivo é uma distorção do nosso processo de fiscalização, foi algo que passou e não deveria ter passado. Nós vamos tomar as devidas providências" - afirmou. 
Neste ano, mais de 80 pessoas foram autuadas por construir irregularmente dentro da Flona. Além da notificação, elas recebem multas que podem chegar a até R$ 200 mil. Os processos administrativos são encaminhados para o Ministério Público para que os invasores respondam criminalmente. 
A Floresta Nacional de Brasília é dividida em quatro áreas. A Área 2, que concentra o maior número de moradores, era ocupada por um assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) antes da criação da unidade ambiental. Atualmente, a área é conhecida como Assentamento 26 de Setembro e está dividida em ruas e lotes. 
Miriam conta que a equipe de funcionários da Flona atualmente tem 13 pessoas. Desses, dois atuam como fiscais. Há também uma equipe de vigilância terceirizada, que percorre a Flona 24 horas por dia. “Nós precisaríamos ter pelo menos um fiscal para cada uma das quatro áreas” - diz a chefe da unidade. 
AMBIENTALISTAS PROPÕEM LEI PARA A PROTEÇÃO DO CERRADO - Representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), da Frente Parlamentar Ambientalista, associações de meio ambiente e ONGs ambientais defenderam, dia 14, durante encontro na Câmara dos Deputados, a criação de lei específica para o Cerrado, em caráter emergencial, para conter a devastação do segundo maior bioma do país.
Os parlamentares ambientalistas pretendem propor uma legislação nos mesmos moldes da Lei da Mata Atlântica, para que haja um marco regulatório em relação às atividades de exploração econômica no Cerrado. A região, chamada de savana brasileira, tem se destacado por apresentar atualmente a maior produção de grãos do Brasil.
Queimadas, desmatamento, mineração, exploração carvoeira, agricultura ostensiva e irrigação indevidas ameaçam as bacias hidrográficas do Cerrado, considerado berço das águas, alertou a Frente Parlamentar Ambientalista.
De acordo com o coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Sarney Filho (PV-MA), a contradição do processo está no fato de que o bioma é encarado por muitos apenas como fronteira de expansão agrícola, mas a produção de água desse ecossistema, que abrange três das principais bacias brasileiras, já é avaliada em estado crítico.
Estiveram presentes no encontro o representante do MMA, secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, Roberto Vizentin; o diretor da SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani; e o deputado distrital Joe Valle (PSB-DF).
Também participaram do evento integrantes do Programa Colmeia, localizado em Barreiras (BA), que integra 13 projetos de geração de renda em comunidades tradicionais. A organização apresentou produtos elaborados a partir de matérias-primas típicas do Cerrado, como capim-dourado, palha-de-coco, algodão e sementes.
ESTAÇÃO ECOLÓGICA ÁGUAS EMENDADAS - Sob responsabilidade da Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), do governo do Distrito Federal, a Estação Ecológica Águas Emendadas localiza-se a 50 quilômetros da rodoviária do Plano Piloto, a nordeste de Brasília, fazendo limite com Planaltina-GO (norte) e Planaltina-DF (sul) , com uma área de 10,547 mil hectares. Dentro da unidade de conservação nascem duas das principais bacias hidrográficas brasileiras: ao norte, a bacia do Tocantins e, ao sul, a bacia do Paraná-Prata.
Esta região de particular interesse geográfico já havia sido visitada e descrita no Relatório da Comissão Exploradora do Planalto Central, coordenada por Luis Cruls (1892). Em 1966, Brasília sediou o XVII Congresso da Sociedade Botânica do Brasil; na oportunidade, foi dado o nome ao lugar e aos córregos. Naquele mesmo ano, o professor Ezechias P. Heringer, exercendo a função de Coordenador de Recursos Naturais, propôs a criação da reserva. Em agosto de 1968, foi criada a Reserva Biológica de Águas Emendadas, com 5 mil hectares. Com o rápido crescimento de Brasília e com a necessidade de preservar locais históricos e a vegetação do Planalto Central, sua área dobrou de tamanho, incorporando a lagoa Mestre D´Armas ou Bonita. Mais tarde passou a ser denominada de Estação Ecológica de Águas Emendadas.
É uma unidade de conservação de proteção integral destinada à proteção do ambiente natural, realização de pesquisas básica e aplicada em ecologia e à educação conservacionista. Pelo seu excelente estado de conservação dos ecossistemas foi declarada em 1992 pela Unesco como uma das áreas que compõem a área nuclear da Reserva da Biosfera do Cerrado. A vegetação é de cerradão, cerrado, campo cerrado, capo sujo, campo limpo, mata de galeria alagada e não alagada, veredas, campo úmido e campo de murunduns.
Grande número de animais do cerrado se abriga e se alimenta em Águas Emendadas, podendo ainda encontrar alguns mamíferos ameaçados de extinção, como lobo-guará, veado-campeiro, tatu-canastra e tamanduá-bandeira. Muitas aves podem ser observadas com frequência, como tucanos, papagaios, carcarás e seriemas.
Ocorre nessa região o extraordinário fenômeno hidrográfico: o nascimento de duas grandes bacias continentais, vertendo de um mesmo ponto. Em uma vereda de aproximadamente 6 quilômetros de extensão afloram dois córregos em lados opostos: o córrego Vereda Grande corre para o norte e encontra o rio Maranhão, que vai alimentar o caudaloso rio Tocantins. O córrego Brejinho corre para o sul, engrossa o córrego Fumal e logo após, segue para o rio São Bartolomeu e depois para o Corumbá, desaguando no Paranaíba e formando então o rio Paraná.
Não é permitida visitação pública na estação ecológica; apenas a permanência de pesquisadores e atividades de cunho educacional. A área dispõe de prédios para a administração e o Centro de Informação Ambiental. Águas Emendadas foi criada pela Lei Federal 6.902/1981 e decretos distritais 771/1968, 6.004/1981 e 11.137/1988.
Fonte: Ministério do Meio Ambiente/Jornal Agrosoft/Terra da Gente/Globo Natureza/G1 DF

domingo, 11 de setembro de 2011

Roda de Leitura e Viola na Casa Verde, em Aparecida de Goiânia

A Escola Casa Verde promove, dias 16 e 17 de setembro, sua primeira Roda de Leitura e Viola, com participação do músico, compositor e arranjador Ivan Vilela (foto) e exposição da artista plástica Camila Valle. O encontro é direcionado aos alunos, educadores, artistas, apreciadores da beleza e curiosos em geral. A realização é da Escola Casa Verde, localizada na Rua Imperatriz S/N, Quadra 10, Lote 7, Jardim Imperial, Aparecida de Goiânia (GO), telefones: (62) 3549-5154/(62) 3281-7081 e site: http://www.escolacasaverde.com.br/. Segue a programação.

Dia 16 de setembro

15 horas - Banca de Poetas, com Dedé Caianno/DF e escritores convidados.

15h30 às 17h30 - Oficinas Asa da Palavra ou Letramento, com Elizete Lima (Casa Verde); Corpo em Pauta - Educação Corporal na Escola, com Ceila Portilho (Casa Verde).

16 às 18 horas – Lixoficina de percussão, com Thiago Verano-GO.

18 horas – Fiandeiras da Alegria, pela Associação Eterna Juventude/Inhumas-GO.

18h30 – Encontro com a escritora Diane Valdez/Goiânia-GO.

19h30 – Performance Cantigas e Danças, pelas crianças da Casa Verde.

19h45 – Contando Histórias, com Francisco Gregório Filho (Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio).

20 horas – Conferência Para gostar de Ler, com a professora dra. Eliana Yunes (PUC-Rio, Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio).

Dia 17 de setembro

14 às 16h - Oficinas A magia e a beleza da viola caipira, com o professor dr. Ivan Vilela - USP/SP; Narração de Histórias, pelos alunos do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação (Cepae/UFG), sob a coordenação da professora dra. Deise Mesquita (Cepae/UFG).

6 às 18 horas - Lixoficina de percussão, com Tiago Verano – GO.

18 horas às 18h30 – Histórias, causos e poesia, com o Grupo Fuxico (crianças do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação - Cepae/UFG).
19 horas – Performance Sonoridades, com as Crianças da Casa Verde.

20 horas – Um dedo de prosa com o escritor e editor Chico Villela.

20 horas – Aula-show, com Ivan Vilela.

Mostras

Fiandeiras - Alunos e alunas da Canopus - Escola de Fotografia/Goiânia-GO, com curadoria de Cidinha Torres.

Laços - Mostra Individual da artista plástica Camila Valle/Goiânia-GO.

Letras Alfenim - Escola Letras de Alfenim - Cidade de Goiás/GO. A Escola Letras de Alfenim foi fundada na Cidade de Goiás, há 13 anos, pelas professoras Ebe Lima, Edna Alves e Goiandira Ortis.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Renato Cunha dirige longa sobre Heitor Andrade, com produção de Kim Andrade

O poeta baiano-brasiliense Heitor Andrade é candango cultural de Brasília
Brasília, 9 de setembro de 2011 - Um dos mais importantes artistas de Brasília, o poeta e jornalista Heitor Andrade estará apresentando seu Teatro do Imprevisto, neste sábado, 10, no Barkowski, na 408 Norte, às 20 horas. O cineasta Renato Cunha estará fazendo tomadas do poeta para um longa, com produção de Kim Andrade, que foi produtor de Glauber Rocha. Heitor e Kim são primos de Glauber Rocha.
Nas apresentações do Teatro do Imprevisto, Heitor Andrade improvisa e dialoga com a plateia, num texto de improviso e sempre instigante.
O nome do documentário, que deverá ser um longa-metragem, deverá ser Corpos de Concreto (1964), livro concretista de Heitor Andrade que foi queimado na nascente Ditadura dos Generais (1964-1985). Natural de Salvador, o escritor é pioneiro na vida cultural e jornalística de Brasília, onde vive há 43 anos. Além de Corpos de Concreto, é autor de Sigla Viva (1971), Três X1 – A Matemática do Poema e Nas Grades do Tempo. Heitor Andrade publica também poemas em fôlderes.
Candidato derrotado à Câmara Legislativa do Distrito Federal, pelo PV, ano passado, Heitor Andrade disse para o DF-GOIÁS, em longa entrevista publicada na edição de 1 a 15 de agosto de 2010, que “o maior crime ecológico do país chama-se Águas Claras, construída pela corja da construção civil de Brasília, em cima do maior manancial hídrico do Brasil”.
Sobre o Cerrado, disse: “Está sendo destruído pelo pessoal da soja. É uma catástrofe, porque temos uma reserva hídrica gigantesca nesse bioma; as bacias hidrográficas do país nascem no Cerrado do Planalto Central”. E sobre o Entorno do DF: “O governo de Goiás acha que o Entorno é problema de Brasília e Brasília acha que é de Goiás. O governo federal, com sua majestosa incompetência, também ignora o Entorno, que enfrenta graves problemas de saúde, de educação, muita criminalidade. O Entorno, que é na verdade uma região rica, está abandonado”.

Pirenópolis realiza seu Segundo Slow Filme

Festival Internacional de Cinema e Alimentação acontece de 15 a 18 de setembro

Depois de provar que até terras mais áridas, como o sertão brasileiro, é capaz de produzir vinho de excelente qualidade, os produtores brasileiros jogam por terra mais uma máxima: a de que só o oeste europeu consegue fazer boa cerveja. É isso o que vai ficar provado durante a segunda edição do Slow Filme – Festival Internacional de Cinema e Alimentação, evento patrocinado pela Petrobras e realizado entre 15 a 18 de setembro numa das cidade turísticas goianas mais conhecidades no mundo, Pirenópolis, distante 150 quilômetros de Brasília, 3 horas de ônibus.
Uma das atrações do festival será a exibição de dois filmes que tratam da produção artesanal de cerveja no Brasil, acompanhada de palestra do célebre mestre cervejeiro Marco Falcone (proprietário da Cervejaria Falke Bier, de Ribeirão das Neves, Minas Gerais) e degustação de cervejas fabricadas em pequena escala.
O Slow Filme acontece de quinta-feira 15 a domingo 18, no Cine Pireneus, com entrada franca. A abertura oficial, quinta-feira, às 20 horas, terá sessão dupla com os curtas Mulheres da Terra, de Márcia Paraíso, e A Horta do Seu Geraldo, de Fernando Brito.
Mas não só a bebida à base de cevada dará o tom da edição 2011 do festival, que alia cinema e gastronomia sob o conceito da sustentabilidade. O grande cineasta mineiro Helvécio Ratton fará, durante o evento, a pré-estreia de seu filme O mineiro e o queijo, que lança luz sobre a fabricação, consumo e distribuição do famoso queijo mineiro – em especial aquele fabricado na Serra da Canastra, na região do Serro e do Alto Parnaíba, em pequenas fábricas familiares. Ratton conversará com a plateia após a projeção do longa e o público será convidado a degustar exemplares de queijos da região.
A segunda edição do festival de perfil único no Brasil está ainda mais diversa. Sob curadoria do professor de cinema, crítico e cineasta Sérgio Moriconi, serão exibidos 18 filmes, entre longas, médias e curtas de ficção e documentário, de diferentes países. São produções do Brasil, Itália, França, Irã, Líbia, Suécia, Hungria, Índia, Chile e Estados Unidos, que poderão ser vistas ao longo de quatro dias de programação.
Além das sessões realizadas no Cine Pireneus, o Slow Filme propõe um programa de atividades paralelas, que complementam o conceito do festival. Serão oferecidas visitas a fazendas de agricultura orgânica, a pequenas fábricas de produção familiar, conversas com especialistas e produtores, e muito mais. Vários restaurantes da cidade também se integram ao evento, criando pratos exclusivos, como é o caso do Le Bistrot, da chef Márcia Pinchemel, e Montserrat, comandado por Juan Pratginestos.
O festival é uma realização da Prefeitura de Pirenópolis e da Objeto Sim Projetos Culturais, e conta com a parceria do Convivium Pirenópolis, ligado ao Slow Food, sob a coordenação da antropóloga e produtora rural Kátia Karam. O evento tem o apoio da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira e da Secretaria de Cultura de Pirenópolis.
SLOW BIER - Nesta segunda edição, um dos focos será o movimento Slow Bier, criado em 1990, na Alemanha, propondo o prazer de tomar uma cerveja produzida no processo lento e artesanal. Um dos representantes brasileiros do movimento, Marco Falcone, proprietário de uma das mais conceituadas marcas de cerveja artesanal brasileira, a Falke Bier, vai conversar com a plateia após a exibição de Cerveja Falada, que mostra a história de Rupprecht Loeffler, o mais antigo mestre cervejeiro do país.
Falcone promete apresentar um panorama da produção de cerveja artesanal no Brasil, especialmente em Minas Gerais, onde a supremacia da fabricação de cachaça está caindo em nome da cerveja. Cervejeiros que produzem sua cerveja na panela do fogão de casa (homebrewers) e produtores que investiram em microcervejarias (microbrewers) produzem, por ano, 6,2 milhões de litros de cerveja tipicamente mineira.
Este volume é quase todo consumido no próprio estado. As cervejas são preparadas em pequena escala, seguindo receitas diferenciadas, com aromas e paladares sofisticados. Ao final da conversa com Marco Falcone, será oferecida degustação de algumas marcas de cerveja artesanal brasileira.
QUEIJO DE MINAS - Dentre as produções brasileiras, destaque para O mineiro e o queijo, novo filme do premiado diretor mineiro Helvécio Ratton, responsável por sucessos como A Dança dos Bonecos, Amor & Cia, O Menino Maluquinho e vários outros filmes. Ratton estará presente no evento para falar um pouco sobre cinema e sobre sua paixão pelo queijo de Minas.
Para rodar O mineiro e o queijo, Helvécio Ratton circulou pelas regiões do Serro, da Serra da Canastra e do Alto Parnaíba, visitando locais onde o queijo ainda é produzido de forma artesanal, segundo as mais antigas tradições – os primeiros indícios da fabricação de queijo em Minas Gerais datam do século XVIII.
Hoje, o queijo Minas é produzido por cerca de 30 mil famílias, mas a tendência é que a produção caia, já que os jovens não demonstram interesse em seguir a tradição, porque não dá muito lucro. O público será convidado, depois da conversa com o diretor, a degustar exemplares de queijos produzidos em Minas Gerais. (Fonte: http://www.pirenopolis.com.br/)

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Cores do Cerrado ao vivo

Para comemorar o Dia do Cerrado, o artista plástico André Cerino abre exposição na Galeria do Templo da Boa Vontade e faz performance, criando, ao vivo, novos quadros da série Cores do Cerrado. Cerino alcançou sucesso ao divulgar pelo facebook, twitter e orkut seus trabalhos performáticos de pintura ao vivo. 

Os mais de 10 mil internautas que acessaram os vídeos de Cerino pela internet já puderam conferir o momento de criação de oito telas da série Cores do Cerrado. Agora os brasilienses têm a chance de presenciar novas performances artísticas de Cerino na exposição que será inaugurada sábado 10, véspera do Dia do Cerrado, na Galeria do Templo da Boa Vontade, na 915 Sul.

A mostra será integrada por cerca 60 telas em acrílica. O artista produzirá novas telas ao longo da exposição, até 30 de setembro. O público poderá conferir Cerino pintando uma nova tela neste sábado, às 19h30, na exposição. A criação dos novos trabalhos também será divulgada pela internet.

A exposição Cores do Cerrado será levada a outras capitais brasileiras em 2012. Mais informações: (55-61) 3344-0330/www.cerino.com.br

terça-feira, 6 de setembro de 2011

TURISMO/BRASIL - Maior festa religiosa do país, o Círio de Belém do Pará espera, este ano, 73 mil turistas, que deverão gastar U$ 26 milhões

Uma das maiores festas do mundo, a que um turista que se preze deve ir pelo menos uma vez, é o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, numa das cidades mais interessantes do planeta, Belém, a capital do Pará, estado que sintetiza a Amazônia, a província mais fantástica do globo e que se ajusta perfeitamente à frase criada pelos europeus, maravilhados com o trópico: “realismo fantástico”. As festividades do Círio atraem também, todos os anos, milhares de goianos e brasilienses.
O Pará deve receber em 2011 mais de 73 mil turistas durante a programação do Círio de Nossa Senhora de Nazaré. A previsão é da Companhia Paraense de Turismo (Paratur) e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que acreditam que este ano os gastos desses turistas devem ultrapassar U$ 26 milhões de dólares. Pesquisa apresentada dia 5 de setembro, com 800 entrevistados durante três dias nos principais pontos turísticos de Belém, mostra que o principal destino de origem desses turistas foi Rio de Janeiro (15,8%), seguido de São Paulo (15,6%), Maranhão (13,2%) e Ceará (8,2%). A maior faixa etária do turista do Círio é de 35 a 50 anos (36%) e a segunda, de 26 a 34 anos (21,4%), sendo que a faixa etária da pesquisa identificou turistas entre 18 e 65 anos de idade.
“Esses números são fundamentais para efetuarmos planejamento das ações em torno da promoção do Pará e o Círio é um dos eventos que pautam essa divulgação e planejamento. A ideia da Paratur é retomar a promoção e divulgação do Círio o ano todo, torná-lo cada vez mais a atividade econômica ligada ao turismo” - disse Adenauer Góes, presidente da Paratur, ao informar que Estados Unidos e França são os principais países emissores de turistas para o Círio.
Detalhe apresentado na pesquisa é que o número de turistas que vem a Belém no Círio, tem aumentando. No Círio 2001 estiveram em Belém 37.000 turistas sendo 3.000 do exterior e 34.000 do Brasil. No Círio 2010 o numero de turistas subiu para 69.000  e para este ano a estimativa da Paratur e Dieese é de que este número chegue em 73.209 turistas ( a grande maioria do Brasil).
Em termos de previsão de gastos no Círio, as análises feitas mostram que no Círio de 2001 os turistas deixaram no Pará cerca de US$ 7 milhões. Em 2010, o gasto foi de cerca de US$ 25 milhões. A previsão para este ano é de que o gasto dos cerca de 73 mil turistas no Círio gire em torno dos U$ 26 milhões de dólares. Uma boa notícia para os envolvidos na cadeia produtiva do turismo que tem o Círio como forte evento do segmento religioso é que 98,2% dos entrevistados expressou desejo de voltar ao Círio e somente 1,8% disseram que não voltariam.
Cerca de 2 milhões de romeiros participam do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, realizado sempre no segundo domingo de outubro. O evento, considerado a maior manifestação católica do Brasil, é o mais forte atrativo turístico da capital do Pará.

sábado, 3 de setembro de 2011

Projeto social da Corumbá Concessões entrega escola à comunidade de Abadiânia

Alunos dançam catira na Escola Municipal Maria Esther Fonte Coelho, em Abadiânia

ANA GUARANYS
Assessoria de Comunicação da CCSA

Brasília, 1 de setembro de 2011 - O projeto social Energia com Responsabilidade Socioambiental, da Corumbá Concessões S.A. (CCSA), inaugurou, dia 30 de agosto, a Escola Municipal Maria Esther Fonte Coelho, em Abadiânia, em parceria com a prefeitura do município, que doou o terreno, de 3.300 metros quadrados. O evento contou com as presenças do presidente da CCSA, Marconi Melquíades de Araújo; da analista ambiental que coordena o projeto, Marinez Caetano de Castro; do prefeito Itamar Vieira Gomes; e da secretária de Educação, Divina Ferreira Batista do Nascimento, entre outras autoridades e pessoas da comunidade.

A CCSA desenvolve projetos voltados para a construção e recuperação de escolas do entorno do reservatório da UHE Corumbá IV para beneficiar, prioritariamente, unidades da área rural, com o objetivo de proporcionar um ambiente de aprendizado amplo e agradável aos alunos e professores. A escola de Abadiânia é a sétima entregue pelo projeto social da CCSA.

A solenidade de inauguração teve uma rica programação cultural. Crianças e jovens de outras escolas do município apresentaram danças dos gêneros catira e country e demonstração de caratê, entre outros números. A escolha do nome da escola foi uma homenagem à professora Esther Fonte Coelho, que teve uma vida dedicada à educação. Familiares da professora se emocionaram com a homenagem.

“Esta escola vai trazer dignidade a muita gente em Abadiânia, com certeza, e nós sabemos que só a educação transforma o homem”, comentou o prefeito Itamar Vieira. A escolha do nome para a escola, segundo ele, “é uma homenagem mais do que justa. Muitas figuras proeminentes passaram pelas mãos de D. Esther, uma pessoa que dedicou a sua vida com muita seriedade à educação”, comentou o prefeito.

Segundo a secretária Divina Nascimento, a escola será destinada ao atendimento de alunos do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental e irá contemplar muitos alunos da área rural. “Eles já vêm para o município para estudar em escolas da rede estadual, e agora serão remanejados para esta unidade. A rede municipal de Abadiânia conta hoje com 1.800 alunos e a escola Esther Fonte Coelho irá oferecer 250 vagas.” A secretária acrescentou que irá implantar curso profissionalizante naquela unidade, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). 

“A inauguração de uma escola é sempre motivo de muito prazer, por trazer melhoria da educação local, inserção social e cidadania. Ela faz parte do nosso projeto de responsabilidade social e dá continuidade à parceria com a prefeitura municipal”, disse o presidente da CCSA, Marconi Melquíades de Araújo. Sobre a questão ambiental, outro propósito importante da empresa, ele disse que cuidar do meio ambiente é uma obrigação de todo cidadão. “Quando eu trato sobre o assunto não me vejo como presidente da empresa, mas como um cidadão. É obrigação de todos cuidar do meio ambiente, e a educação ambiental, ligada à educação completa, deve fazer parte da grade curricular de todas as escolas”, frisou.

A escola tem uma área construída de 800 metros quadrados, uma grande área gramada e uma quadra poliesportiva. É dotada de seis salas de aula e outras destinadas à diretoria, aos professores, à secretaria, à biblioteca e ao laboratório de informática. Conta ainda com cozinha completa, refeitório, três banheiros coletivos e uma estrutura de horta, para que os alunos aprendam a ter uma alimentação saudável. Todo o prédio tem acessibilidade para as pessoas com necessidades especiais.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Milton Nascimento, grátis, em Brasília

Com o patrocínio da Petrobras e da Eletronorte, o Açougue Cultural T-Bone supera todas as expectativas e traz a Brasília, no dia 15 de setembro, o grande cantor e compositor mineiro Milton Nascimento (foto), acompanhado da sua banda, para a realização da trigésima edição da Noite Cultural, em show gratuito na Comercial da 312 Norte





Milton Nascimento apresentará grandes sucessos da carreira, tais como Bailes da Vida, Canção da América, Coração de Estudante etc. O novo álbum E a Gente Sonhando, também estará presente com sua interpretação para  a faixa título, composta no início da sua carreira, mas só agora gravada, e a regravação de O Sol, conhecida do grande público com o Jota Quest. Por sinal, E a Gente Sonhando foi gravada com jovens músicos da sua terra natal, Três Pontas, no sul de Minas Gerais.
O show foi apresentado recentemente pelo Brasil e Estados Unidos com excelente resposta da plateia, composta pelas diversas gerações que fazem dos shows de Milton Nascimento uma celebração, uma garantia de espetáculo de uma das maiores estrelas da MPB.
A banda que acompanha o cantor é composta por Lincoln Cheib (bateria), Wilson Lopes (guitarra), Gastão Villeroy (baixo) e Kiko Continentino (teclados). O convidado especial é o jovem cantor de Três Pontas, Bruno Cabral.
ARTISTAS LOCAIS - A Noite Cultural T-Bone terá, como de costume, a participação de grupos e artistas locais. Desta vez, o palco da Noite será dividido pelas cantoras Sandra Duailibe e Célia Rabelo.
Dona de timbre de voz singular, grave e romântico, Sandra Duailibe, que reside em Brasília há muitos anos, interpretará algumas maravilhosas canções escolhidas com especial carinho. No repertório destaque para Resposta ao tempo, de Cristóvão Bastos e Aldir Blanc; Epitáfio, de Sergio Britto; e Encontros e despedidas, de Milton Nascimento e Fernando Brant. O espetáculo conta com impecável time de músicos reconhecidos nacional e internacionalmente: maestro Marcos Farias no teclado, Hamilton Pinheiro no contrabaixo e Amanda Costa na percussão.
Já a cantora Célia Rabelo subirá ao palco acompanhada pelos músicos: Boréu (percussão) e Felix Jr. (violão de sete cordas). O trio apresenta, há quatro anos, clássicos da MPB, samba, afro-samba, bossa nova, chorinho, entre outros. No repertório, canções dos inesquecíveis: Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Chico Buarque de Hollanda, Paulo César Pinheiro, Noel Rosa, Zequinha de Abreu, Valdir Azevedo e Pixinguinha.
NOITE CULTURAL - Há mais de 10 anos, o Açougue Cultural T-Bone realiza o projeto na Comercial da Quadra 312 Norte, com a participação de artistas nacionais e locais, nos meses de maio e de setembro. O projeto é realizado duas vezes por ano, um em cada semestre. Em 1998, ano da primeira edição, foi realizado dentro do açougue e contou com 30 pessoas.
Desde então, já participaram mais de 150 mil pessoas e mais de 500 artistas, como Moraes Moreira, Chico César, Guilherme Arantes, Célia Porto, Tom Zé, Manassés, João Donato, Geraldo Azevedo, Belchior, Erasmo Carlos, Alceu Valença, Elba Ramalho, Renato Teixeira, Zélia Duncan, Orquestra Johann Strauss Capelle de Viena, Zé Ramalho, entre outros.
SERVIÇO
Data: 15 de setembro de 2011
Horário: 19 horas
Local: Açougue Cultural T-Bone – 312 Norte, Bloco B, Loja 27, Brasília-DF
Telefone: (55-61) 3274-1665
Entrada franca
Indicação: livre

CONTATOS

Milton Nascimento
Ana Paula Romeiro (assessoria de imprensa): (55-21) 9601-3908/3283.8258

Sandra Duailibe
Telefone: (55-21) 8158-0478 (Rio de Janeiro)/(55-61) 8177-2774 (Brasília)

Célia Rabelo
Telefone: (55-61) 9906-0324/9219-9935/3387-9982 (Brasília)

Francisca Azevedo (Ascom T-Bone)
Telefone: (55-61) 8432-3669

Direção de Palco
Cabeto Rocker – Produções Culturais
Telefone: (55-19) 3368-5657/91285656 (Campinas)